Patrocínio – Segunda parte: Contrato e retorno

Continuando nossa conversa da edição passada, onde tratamos do levantamento de dados dos potenciais patrocinadores para o envio da proposta e do que colocar na proposta, trataremos agora do contrato e das formas de retorno para o patrocinador.

Terceiro: Como deve ser o contrato?

Depois de várias viagens e reuniões, você acaba de conseguir um ok de uma empresa para patrocinar sua equipe. Resta agora colocar tudo o que foi conversado no papel. O papel, como se sabe, tudo aceita. Por isso, é bom redigir o contrato com muito carinho para evitar dor de cabeça no futuro. Antes de qualquer coisa, abra uma empresa de prestação de serviço, uma conta no banco em nome da empresa e encomende um bloco de nota-fiscal na gráfica, pois grandes empresas só paga mediante apresentação de nota-fiscal e através de depósito bancário.

O que deve constar no contrato:

1. Qualificação das partes. Dados de sua empresa, do patrocinador, e de seus respectivos representantes legais;
2. Prazo de validade do contrato. Quanto mais longo, melhor para ambas as partes. Recentemente a Repsol fechou com Raul Boesel e David Muffato na Stock-car o contrato mais longo que se tem notícia no Brasil: três anos!;
3. Valor do patrocínio e forma de pagamento. Se é mensal ou após cada etapa e o dia do pagamento;
4. Espaço dedicado no carro e uniformes para a logomarca do patrocinador. É conveniente anexar o lay-out ao contrato;
5. Número de provas, locais e datas.

Quarto: Formas de retorno para o patrocinador.

Se você quer renovar seu contrato com seu patrocinador no ano seguinte, não atenha-se apenas ao que foi combinado no contrato. Procure ir muito além, oferecendo muito mais retorno para cada centavo investido pelo patrocinador.

1 – Além da tradicional adesivagem do carro e dos bordados nos uniformes, acrescente a logomarca do patrocinador nos carros e caminhões de apoio, no material impresso da equipe e contrate um bom fotógrafo para documentar tudo;

2 – Promova o lançamento oficial da equipe, de preferência em local de grande badalação em sua cidade. Convide amigos, parentes, conhecidos, o pessoal do rali, seu patrocinador e todos os veículos de comunicação.

3 – Contrate um bom assessor de imprensa que acompanhe a equipe nas provas. Isso é fundamental para que ele possa enviar as noticiais e fotos para a mídia tão logo saia o resultado, garantindo presença na mídia logo na segunda-feira após a prova.

4 – Imprima milhares de folhetos contendo dados sobre a equipe, o esporte, o campeonato e de seu patrocinador. Contrate belas modelos nos locais das provas para fazer panfletagem na largada e na chegada. Não se esqueça de fotografar tudo.

5 – Envie para seu patrocinador após cada etapa um relatório sobre sua participação com fotocópia de tudo o que saiu na mídia sobre a prova.

É muito, mas muito importante mesmo que você trate com todo carinho e seriedade do mundo seu patrocinador, para que ele fique contente com o retorno e incentive outros empresários a investir no nosso querido rali. Por hoje ficamos por aqui. Grande abraço.

VEJA TAMBÉM

O poder de fogo da mala direta

Jornal Indústria e ComércioSegunda, 14 de Fevereiro de 1995.29ª edição da coluna – Página C4 Sou um amigo e assaz fã desta poderosa, porém mal

Leia Mais

Ciclo de vida de produtos

Jornal Indústria e ComércioSegunda, 16 de Janeiro de 1995.25ª edição da coluna – Página C3 Da mesma forma que no reino animal os seres nascem,

Leia Mais

Deixe uma resposta