Gerenciando a vida do produto – parte 1

Jornal Indústria e Comércio
Segunda, 23 de Janeiro de 1995.
26ª edição da coluna – Página C3

Vimos na edição passada as fases da vida de um produto ou serviço. Agora que já as conhecemos, vamos ver o gerenciamento em cada uma destas fases, que é de fundamental importância para o prolongamento da vida do produto. Infelizmente, muitos bons produtos e serviços têm uma morte prematura por falta de uma estratégia adequada para cada uma de suas fases.

Fase Desenvolvimento:

Nesta fase encontram-se os produtos e serviços que ainda estão para ser lançados no mercado, como a Revista Placar da Editora Abril e todos os modelos 96 da indústria automobilística, por exemplo.

Todavia, a realização de pesquisas pode apontar prováveis deficiências que podem ser solucionadas antes mesmo do seu lançamento. Da mesma forma pode-se avaliar em que patamar de preço este produto será aceito pelo mercado. Convém lembrar que já era o tempo em que as empresas ditavam os preços!

O trabalho de assessoria de imprensa é fundamental nesta fase. Informar à mídia que a empresa está investindo “X” em tal produto e que o mesmo trará tal contribuição, gera uma boa expectativa por parte do mercado.

E é nesta fase também que se elabora o tão importante planejamento estratégico. Aí estarão as políticas comercial, de comunicação, de distribuição, de preços, de promoções, etc.

E, por fim, a integração dos colaboradores, atacadistas, revendedores, e todos que façam parte do processo produção/distribuição do produto. Todos têm que estar muito bem a par dos dados do produto e dos planos da empresa.

Fase Introdução:

A magnitude do lançamento do produto há de ser proporcional ao seu objetivo de mercado. A VW do Brasil, por exemplo, lançou, em alto estilo, seu novo Gol, em Munique, na Alemanha. Se sua empresa, por outro lado, é pequena, você pode fazer um coquetel num hotel 3 estrelas. Mas não deixe de aproveitar a oportunidade de fazer o lançamento, ou você vai perder a chance de ganhar um espaço nos jornais e TV?

Muita atenção à propaganda nesta fase. Visto que o produto ou serviço é novo, a propaganda tem que ser de cunho informativo, ou seja: tem que mostrar para que serve o produto, como se usa e para quem se destina. Para quebrar a resistência dos consumidores às novidades, recorre-se a algumas técnicas para induzir o consumidor à experimentação, tais como amostras-grátis (lembra do Pert-plus) e os testes degustativos nos pontos de vendas.

Já com o início das vendas pode-se avaliar a receptividade dos consumidores e corrigir eventuais falhas. Da mesma forma deve-se observar a reação da concorrência. Basta recordar do tempo de reação recorde da Fiat, ao responder o lançamento do Corsa da GM em apenas três meses com seu modelo ELX.

Como exemplos de produtos e serviços nesta fase podemos citar o Passar alemão da VW, o aparelho de ar-condicionado da Prosdócimo, as novas rotas da Pantanal e da Helisul, para Rio e São Paulo, respectivamente, e o Jornal Indústria & Comércio SC.

VEJA TAMBÉM

O que esperar para 1995

Jornal Indústria e ComércioSegunda, 02 de Janeiro de 1995.23ª edição da coluna – Página F1 Recentes acontecimentos no mercado interno podem nos dar uma boa

Leia Mais

Deixe uma resposta